quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Feliz Dia do Halloween

Oi minna-san o/

Hoje é dia do Halloween o/
Por isso:

FELIZ DIA DO HALLOWEEN


Kissus da Tri Ana, da Bia e da Bruna >.<

terça-feira, 11 de setembro de 2012

A vida é bela! II

É isso mesmo, 2 xD
---


Capitulo I
Passaram-se seis anos desde aquele dia, vivo eu agora uma vida feliz e agradável.
Tenho uma filha de 2 anos, uma menina de cabelos castanhos. Olhos escuros e uma face rosada.
-Mamã, o pápá "qué" que vá "à" "jadí".
-E o que deseja o teu pai Monique?-pegando-lhe na mão dirijimo-nos ambas para o jardim.
No jardim avistamos uma figura de grande porte atletico. Cabelo escuros e pele morena.
A pequena Monique largou a minha mão e abraçou a figura, que agora sorria para mim.
Caminhei lentamente na sua direção.
-Que me deseja?-perguntei sorrindo.
-Que me faça companhia.-disse segurando a minha mão.
---
Há seis anos atrás...
-Ah muito que desejava que este momento chegasse.-Mark sorriu.
-Mas és tu quem me tem evitado.-olhei para o chão.
A sua mão segurou no meu rosto e assim conseguindo que o meu olhar parasse nele de novo.
-Se te contar a verdade, poderás não acreditar em mim....
Olhei-lhe confusa. Ele conseguia perceber que eu estava confusa, quem não estaria na mesma situação que eu?
-Se ganharmos hoje o jogo prometo-te que te contarei tudo.-segurando assim na minha mão, diriji-mos calmamente para o carro.
-És louca!-gritou-me a Mikaru. Saiu do carro e deu-me um enorme abraço. Retribuiu sem pensar duas vezes.
-Que se passa? Estás a chorar.-as lagrimas caiam-me pela cara e eu não as conseguia controlar.
A Mikaru olhou para o Mark:
-Que lhe fizes-te?-perguntou-lhe zangada.
O Mark olhou para mim e apenas se limitou a rir.
-De que te ris?-perguntou Mikaru.
Ela olhou para mim, eu estava a sorrir e tinhas as faces realmente encarnadas.
-Tu estás feliz, já percebi tudo. Toca a entrar no carro.- ela abriu a porta da frente e enfiou-se dentro do carro.
Fiz o mesmo com a porta de trás. Vi um rosto sorridente que me olhava.
-Fico feliz que se tenham entendido.-vi uma lagrima a cair do seu olho esquerdo.

domingo, 9 de setembro de 2012

Falta de Post's


Temos postado muito pouco não é?
Mas a sério, o blog não é só meu, e sou a única que tem postado (mesmo que pouco).

Estou a tratar do capitulo da Fanfiction para não ser morta, estás a ler Kattzinha, e a menina Té também está a ler? xD

P.s: Tri Ana, por favor posta também, nem que sejam imagens, please.

sábado, 7 de julho de 2012

36ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

36ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

Uma cara escura apareceu do outro lado do vidro.
Mikaru: Sabrina larga essa garrafa.- ordenou-se num sussurro.
Mas foi um sussurro muito baixo que não me tinha chegado completamente aos ouvidos.
O Mark carregou num botão que se encontrava na porta, lentamente o vidro da mesma foi desaparecendo. Um senhor com um "boné" aproximou o seu rosto para observar melhor o interior do carro, até que o seu olhar pouso em mim.
Sr Guarda: Diga-me menina.-fez uma pausa.- O que contém essa garrafa que segura.
Mandei um olhar à garrafa e respondi:
-Nada. O que deveria conter?!.-lancei-lhe um "sorriso amarelo".
O Guarda soltou um suspiro.
Sr.Guarda: Acompanhe-me até ao meu carro, por favor.
Assim fiz, sai do carro e segui o guarda, que de seguida aproximou uma espécie de contador, um balão, alguma coisa que me fez soprar.
Sr.Guarda: Hum...
Olhei-lhe confusa e perguntei:
-Passa-se alguma coisa senhor agente?
Sr.Guarda: Não, nada é que... não percebo.
Mark: Não percebe o quê?-o Mark tinha saído do carro.
Olhei para o agente arregalando os olhos.
Sr.Guarda: Nada de mais. Deixem estar, podem seguir viajem.
O Mark segurou-me no braço e caminhou até ao carro um tanto apressado.
-Mark...-disse baixinho.
Continuou a andar sem dizer nada.
-Mark!!-gritei.
Ele parou e olhou para trás.
Mark: Diz?!
-Estás a aleijar-me o braço, podias não segurar com tanta força?-perguntei olhando para o chão.
O Mark soltou o meu braço. Tinha sido burra como sempre, ele agora já não me seguraria, acho que teria preferido que ele me continuasse a agarrar seja com que força fosse.
Queria ganhar a coragem para lhe dar a mão, mas ele afastava-se cada vez mais....
Quando entrou no carro, hesitei. A Mikaru abriu o vidro.
Mikaru: Sabrina não entras?
Olhei para a estrada, conseguia ouvir o "relato do jogo".
-Não deve faltar muito para chegarmos.-olhei mais uma vez para a estrada, poucos carros passavam por ali.- Desculpem-me vou a pé.
Sai dali a correr e fui para a berma da estrada caminhado lentamente, cedo ou tarde haveria de lá chegar.
Voz: Espera Sabrina!-gritaram. Acho que o carro ainda não tinha arrancado, e por isso estava longe e não tinha conseguido identificar a quem pertenceria a voz.
Uma mão grande, quente e forte, segurou a minha. Um rapaz de grande porte atlético tinha me puxado naquele momento contra o seu peito. No meu rosto escorriam lágrimas.
Mark: És tola, sabias?.-abraçou-me fortemente.-Sei perfeitamente que a história da garrafa era apenas teatro. Não foi por causa disso que não deixei que ficasses encostada ao meu peito, muito pelo contrário.
Abracei-o fortemente, não o queria largar. Ele soltou um pequeno riso e disse:
-Sabrina estás a molhar-me a camisola toda.
-Não quero saber. Preferia babar todas as tuas camisolas a perder-te de novo.-abracei-o com mais força.
A sua mão passou suavemente pelos meus cabelos.
Mark: Também de amo.-naquele instante conseguia sentir, o seu coração estava acelerado.
Elevei a cabeça. Ele estava corado e olhava para o lado.
-Ham?!-fiz-me desentendida.
Ele olhou-me. Aquele castanho intenso dos seus olhos eram uma dádiva para mim.
Mark: Como era...como disseste ao telefone, "Amo-te..."-disse tentado imitar a minha voz.
-Hey! A minha voz não é assim.
Aproximou o seu rosto do meu, dando-me assim um suave beijo. Os seus lábios eram doces, o seu corpo quente...no meu peito sentia uma sensação diferente de todas as outras que alguma vez sentira..
Não queria que aquele momento acaba-se. Os seus lábios "soltaram-se" dos meus.
Mark: Ah muito que desejava que este momento chegasse.-sorriu.
-Mas és tu quem me tem evitado.-olhei para o chão.
A sua mão segurou no meu rosto e assim conseguindo que o meu olhar parasse nele de novo.
Mark: Se te contar a verdade, poderás não acreditar em mim....

segunda-feira, 4 de junho de 2012

35ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

35ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!


O meu telemóvel tocou de novo, era ele outra vez.
O meu coração começou a bater a mil à hora, será que ele me teria ouvido?! Isso era quase impossível...
Voz do outro lado de telefone: Para além de te agradecer por nos teres desejado um bom jogo, gostava de saber se as meninas demoram muito.
-Sinceramente não sei, o senhor motorista disse que o motor não pega e não sabe quando ficará arranjado. Não sei se chegamos a tempo de vos ver ganhar...
Mark: Quem te diz que vamos ganhar, princesa?
-Digo eu.-diz uma pausa.-Espera chamas-te-me princesa?!
Mark: Ah...é possivel, o Pedro passa a vida a chamar-te isso que pode me ter escapado, desculpa lá que não foi de propósito, acredita que se fosse eu estava mas era doente!
-Estúpido!!-gritei.-Tu por acaso fazes ideia do que tenho sofrido por tua causa, meu grandíssimo anormal?! Tens noção de tudo o que fiz por ti, para depois me virares as costas desta maneira! O que foi que te fiz...-tinha lágrimas a escorre-me pelo rosto, senti-me observada, olhei em volta e todas as pessoas que se encontravam no autocarro olham para mim surpreendidas. 
Corri para fora do grande automóvel.
-A sério...nem sei como pude gostar de ti! Quando soubeste de tal coisa, só vi desprezo da tua parte apesar de todos afirmarem que gostavas de mim. Como pude ser tão estúpida ao ponto de acreditar que isso poderia algum dia acontecer.-eu falava aos soluços, não se percebi nada do que dizia mas precisava de deitar tudo cá para fora o mais depressa possível, eu já não aguentava mais.
Mark: Já acabaste?!
-Não!! Mas força desliga o telefone, não quero saber mais ti, nem de nada que tenha a ver contigo, por isso...afasta o Pedro de mim, eu não o quero fazer sofrer pois ajuda-me imenso quando estou mal, ao contrário de certas pessoas.-Consegui a custo pôr um toque de ironia na voz.
Mark: Essa foi alguma indireta?!
-"Não por acaso foi bem direta, tu é que és burro!"
Mark: Boa! Sou burro tudo bem, vou passar ao Ed, já que foi para isso que te liguei.-pois por que haveria ele de me ligar por vontade própria se sabia que ia levar um sermão destes?!
Ed: Sabi, podes me dizer onde estão?
-Não sei, importas-te de esperar um bocado.-corri para junto da Mikaru que com as mãos me limpou as lágrimas e pediu  para que me acalma-se.
Mikaru: Mais calma?-abanei-lhe a cabeça para cima e para baixo, em gesto de afirmação.-Então que desejas?
-O Ed quer saber onde estamos...mas sabes que não dou atenção às viagens.-cocei a cabeça a sorrir.
Mikaru: Sei pois.-deitou-me a língua de fora em tom de brincadeira.-Dá-me o telefone por favor.-passei-lhe o telefone para as mãos.
Mikaru: Ed nós estamos....
Então eles os dois falavam eu pensava em tudo o que tinha dito ao Mark, estaria eu a ser injusta? Ou ele merecia mais?
Não sabia o que pensar, apetecia-me mandar-me de um penhasco para desaparecer de vez.
Quinze minutos depois, um carro com os seus faróis dirija-se na minha direção tinha me quase feito ter um ataque de coração.
O carro parou a poucos milímetros de distância de  mim. De dentro do mesmo saíram três figuras de porte atlético.
-Fogo Ed querias-me matar de ataque cardíaco?-perguntei com a respiração ofegante.
A Mikaru aproximou-se.
Mikaru: Então? Trouxeste-te o mundo atrás...
Pedro: Minha cara Mikaru não vai dizer que não está feliz por me ver?
Mikaru: Nem por isso.-disse tossindo.
Soltei uma baixa gargalhada, e olhei para a terceira figura que se encontrava encostada ao carro de braços cruzados.
-Mark...-sussurrei.
O Pedro olhou para o relógio que tinha no pulso e soltou um pequeno grito.
Pedro: O jogo está quase a recomeçar!-disse correndo na direção do carro, abriu a porta e enfiou-se lá dentro.
O Ed e a Mikaru também foram na direção do carro, o Mark desencostou-se do automóvel e abrindo a porta também entrou dentro dele, só eu ficara parada a olhar para o vazio, sem conseguir dar um único passo que fosse.
Um figura com ar carrancudo saiu do carro.
Mark: Estás-nos a fazer perder tempo.-e dito isto pegou-me ao colo e levou-me nos seus braços na direção do carro.
Sentou-se e "mandou-me" para o banco do meio. Ele olhou para Pedro e "obrigou-me" a mudar-me para o banco do lado da janela.
Estava escuro e durante a viagem eu limitei-me a olhar para as estrelas.
Entretanto houve uma paragem não muito brusca.
-Parámos?!
Mikaru: Parece que há um acidente.
Ed: Quando viemos não havia nada.-disse.
Mark: Boa! Estamos dentro de um carro, a perder o jogo e com péssima companhia.
-Obrigada, também te amo.
Passaram-se dez minutos e eu já não aguentava, o Pedro dormia e soltava cada ronco...
Os meus olhos também pesavam.
Mark: Que silêncio maravilhoso.
Mikaru: Acabaste de o quebrar!-afirmou.
Mark: Não posso estar parado! Terei de fazer de novo o aquecimento e não me deixarão entrar no jogo quando chegarmos. Eu sabia que não devia ter vindo.
-Mas more...isso resolve-se já.
Mark: More?!
-Yap.-ele olhou para a minha mão.
Mark: Sabrina que é isso?
-Num sei, uma garrafa que o senhor do autocarro me deu, disse que servia para afogar as mágoas, olha que resulta torrãozinho, experimenta.
Mark: Oh meu Deus Sabrina o que foste fazer.
-Tenho sono.-encostei a minha cabeça ao seu peito. Comecei a pensar que seria boa como atriz, a final por que a garrafa que tinha na mão estava na porta do carro, encontrava-se vazia, e tinha um rotulo de água. E se ele fosse esperto, lembrar-se-ia que quando me pegou ao colo eu não tinha nem uma misera garrafa nas mãos.
Ed: Sabrina, tu não tinhas nada nas mãos quando o Mark te trouxe para o carro pois não?
-Quem sabe.-disse ainda encostada ao peito do Mark.

domingo, 27 de maio de 2012

34ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

34ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!


A Stela e a Hinata seguiram para casa, fui a passos largos até à paragem de braço dado com a Mikaru.
Mikaru: Sabi sabes que me podes lagar o braço?
-Não posso nada, já é de noite e sabes que não gosto de andar na rua a estas horas.
Mikaru: De noite?! Estamos no pôr do sol.
-Dá ao mesmo, se vier algum pervertido atrás de nós, como não há ninguém na rua...-estremeci.
Mikaru: Calma rapariga, tenho o chapéu de chuva, ele protejo-nos, e eu já conheço muito bem a zona...sabes que vivi cá quase toda a minha vida.
-Sei é que quando me mudei já cá estavas, isso eu sei.-soltei uma leve gargalhada.
A paragem já estava perto, mas a cada passo que dava parecia que ela se afastava cada vez mais. Estava tão perto, mas ao mesmo tempo tão longe.
Mikaru: Vá lá Sabi, o jogo já começou! E o autocarro vai parti e é o ultimo por esta hora, o próximo é só daqui a cinco horas.
Desatamos a correr que nem loucas na direção daquele autocarro. Quando nos encontramos dentro do mesmo só haviam lugares separados, mas eu queria-me sentar ao lado da Mikaru.
Ela sentou-se ao pé de uma senhora idosa.
Mikaru: Vai Sabi, encontra um lugar, não vais ficar de pé.-olhou-me confusa.
Caminhei quase até ao fundo do autocarro, onde me sentei ao lado de um rapaz ruivo de faces rosadas que me mostrou um largo sorriso quando lhe pedi licença para sentar.
Rapaz: Claro que podes, faça favor.
-Obrigada.-retribui-lhe o sorriso e sentei-me.
Tinha um olho no burro e o outro no cigano, eu não sabia qual era a paragem e como não tinha ficado do lado da janela nem um sinal de onde era para sair eu tinha, precisava de ver quando é que a Mikaru se levantava ou não.
Rapaz: Estás stressada passa-se alguma coisa? Sais em que paragem?
-Ah, é por isso mesmo. É que eu nem sei em que paragem saio.
A uma voz gritou o meu nome: Sabii!!! Oh senhor motorista espere um pouco!
Levantei-me e fui para junto da Mikaru despedindo-me assim daquele rapaz simpático.
Mikaru: Fogo mulher, o motorista já se estava a passar comigo.-resmungou puxando-me pelo braço para fora do autocarro. 
-É aqui?!-olhei em volta, e posso dizer que não avistei nada.
A Mikaru apontou para a estrada.
Mikaru: Temos de apanhar mais um.
Suspirei. Entrámos no autocarro, e desta vez sentei-me junto da Mikaru. Começamos a ouvir um ruídos e o grande automóvel parou.
A Mikaru levantou-se e perguntou:- Senhor motorista, desculpe-me, mas podia-me dizer o que se está a passar? Que ruídos são estes?
Motorista: Parece que se passa alguma coisa com o motor.
-O quê?!-levantei e soltei um grito que se ouviu até ao outro do autocarro. Todos os passageiros olharam para mim e eu apenas me limitei a "enterrar-me" na cadeira.
O meu telemóvel vibrou. O meu corpo paralisou...Mark era o que aquilo me mostrava, pedi à Mikaru para me dizer que nome se encontrava naquele pequeno ecrã, mas logo percebi que tinha sido má ideia.
Mikaru:AAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHH!!! Atende rapariga!-os olhos dela brilhavam, eu sabia que ela só me queria ver bem, e se aquele rapaz que me fazia sofrer era o rapaz que no fundo, no fundo me fazia feliz...ela só queria que ficássemos juntos.
-Está bem.-cliquei no botão de "atender".
Do outro lado da linha: Sabrina!! Estás bem princesa?
-Pedro?! 
Mikaru: O quem?! Eu mato esse rapaz.-tirou-me o telemóvel das mãos.-Oh meu grandíssimo anormal, ligaste do telele do Mark, a sério?!
Pedro:Desculpa! Queres que lhe passe?Estão em intervalo.
Mikaru: Claro que quero.-gritou.
Mark: Diga...
Mikaru: Está aqui alguém que deseja falar consigo.-disse num tom de gozo, que me fez apetecer-me apertar-lhe o "gasganete"!
Passou-me o telemóvel, eu conseguia ouvir a voz dele..."Estou?". Não queria que ele desligasse por isso...
-Boa sorte para o jogo.-gritei, tinha-me custado muito ter de falar com ele, mesmo que não fosse "cara à cara" e ainda consegui sussurrar antes de desligar, uma frase à muito prendida cá dentro que já não aguentava e queria tanto sair: Amo-te...
Desliguei, de certo que ele não me tinha ouvido, tinha dito aquilo mais para dentro do que sei lá o quê. 

segunda-feira, 7 de maio de 2012

33ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

33ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

A Mikaru ordenou-lhe que se sentasse, a custo Stela sentou-se com ar triste.
-Que se passa Stela? Estás bem?-perguntei preocupada.
Uma lágrima, à muito contida, escorreu-lhe pê-la cara.
Stela: É hoje...-hesitou-A minha mãe vai trabalhar para fora e a Hinata vai com ela, tive a sorte de poder continuar cá mas...vou ter de me ir despedir delas ao aeroporto. 
Mikaru: A que horas é o voo?
Stela: É por volta das dez da noite.-disse aos soluços.
-Mas isso é à hora que o jogo acaba!-exclamei.
Stela: Por isso mesmo, antes de partirem têm de fazer as malas e eu vou ter que ajudar.
A Mikaru olhou-me com um olhar matreiro, no que estaria ela a pensar?
-Diz lá, que ideia de génio a menina teve desta vez.
Mikaru: Lá, blá, blá, blá. Não decorei o que disseste para dizer.-riu-se.
Bati-lhe na brincadeira e ri-me também.
-Tu percebeste o que eu quis dizer.
Mikaru: ah, não sei não.-disse ironicamente.
Virei-me para a Stela e sentei-me a seu lado e agarrando-me no seu braço:
-Stela, a "Mikalu" está a "sel" má "pala" mim.-disse com voz de bebé e fazendo um ar de inocente.
Stela: Mikaru, deixa de atormentar a pobre Sabi.-riu-se.
As três soltamos altas gargalhadas que apenas pararam quando uma voz chamou pelo nome da Stela. A Stela levantou-se e virou-se na direção da voz dizendo: -Stela sou só eu e mais nenhuma.
Hinata: Que eu saiba há mais Marias na terra.
Stela: Bom para elas, ainda bem que não sou Maria.
Mais gargalhadas se ouviram desta vez interrompidas com o vibrar de um telemóvel, era o meu.
-É o Ed, deve querer saber onde andamos.
Mikaru: Pois, falta meia hora para o jogo começar.
Hinata: Então nós vamos andando, adeus meninas.
As duas raparigas começaram a afastar-se.
Mikaru: Esperem!-gritou alto e bom som.
A Stela olhou para nós, mas foi puxada pela irmã para que continuasse a andar.
Mikaru: Hinata! Lá por sermos rivais "não quer dizer que sejas surda". Olha para mim, se faz favor!-gritou-lhe.
A Mikaru foi a correr para junto das duas irmãs, e eu segui-a a passos longos.
A Mikaru pegou no braço da Hinata e deu-lhe um forte estalo nas faces rosadas que fez com que a rapariga paralisasse por alguns segundos.
-Para que foi isso Mika?-olhei para a Hinata que se encontrava de joelhos no chão paralisada com a mão no rosto encarnado.
Stela: Foste bruta, achas que era preciso?-perguntou em defesa da irmã.
Mikaru: Desculpem, sabem bem que não gosto que as pessoas me ignorem.
A Stela ajoelhou-se até ficar à "altura" da irmã, peguei no braço da Hinata e puxei-a para cima.
-Miúda, assim parada perdes o jogo todo.-sorri-lhe.
A Mikaru deu-me uma leve cotovelada no braço, virei-me e ela fez-me sinal para que fosse ter com ela.
Mikaru: Sabi, vê-se aprovas a minha ideia.-contou-me "tim tim por tim tim" para que a entendem-se e para que fosse executada na perfeição.
---
Espero que tenham gostado
Vou tentar postar na sexta.

domingo, 6 de maio de 2012

Feliz dia da Mãe

Olá Pessoal, hoje é o dia da Mãe.
Para mim um dia onde todas as mães devem ser mimadas e devem receber agradecimentos por tudo o que têm feito pelos filhos ao longo da sua vida.
Deixo aqui imagens da mamã do Bruce e do Oliver^^
Desculpem a má qualidade a culpa é do meu telele, sabem o quão difícil é encontrar imagens delas?! O.O
A Mãe do Bruce a puxar pelo seu menino, a ver se faz alguma coisa de jeito xD

Outra mamã a ver se dá animo ao seu filho, mas como sabemos o nosso Oliver é um campeão *o*

Beijinhos, amanhã posto 
um capitulo da minha fic >.<

sábado, 5 de maio de 2012

Parabéns Tobi

Olá pessoal!!
Só venho fazer o post agora por que tinha esperanças que a Tri Ana o viesse fazer....Mas parece que não deu para ela vir à net (sabem o preferido dela é o Toby, blá blá blá)
Então vamos ao assunto do post
---
Muito bem parabéns Misaki!!
Esperamos que nunca desistas de nada.
Parabéns my dear Tobi^^

És na França o nosso campeão Japonês *o*

MUITOS PARABÉNS!!!!

terça-feira, 1 de maio de 2012

32ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

32ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

Quando chegamos à escola eu só queria vestir um casado, estava-me a sentir observada por tudo o que era lado.
Aproximei-me do ouvido da Mikaru: Mikaru, o vestido fica-me assim tão mal?
A Mikaru olhou para mim.
Mikaru: Calma, não é todos os dias que....
Pedro: É lá princesa!!-gritou.
-É isso diz mais alto. Vou a casa trocar-me.
Mikaru: ah vais?! Tens a certeza que te queres cruzar com o Benji? Miúda estás linda assim. Se eles olham é por que gostam.
A Jane e a Tippy aproximaram-se de nós.
Jane: Sabrina esse vestido fica-te mesmo bem.-disse ao mesmo tempo que a andava à minha volta o que me deixou ainda mais embaraçada do que estava.
Tippy: Isso é tudo para o jogo de logo?
Revirei o meu olhar para a Mikaru que me sorriu, e de seguida desviando a sua atenção para outra coisa. Tentei ver para onde estava ela a olhar.
Era para um grupo de rapazes, eu conseguia identifica-los a todos, especialmente a um que me olhava com admiração.
Pedro: Está linda a minha Sabrina não está Mark?-perguntou segurando-me no braço.
O Mark desviou o olhar e continuou a andar na direção da sala.
-Mark.....
Apetecia-me pregar dois pares de estalos nas belas faces rosadas do Pedro. Puxei o meu braço com alguma brutidão que o vez olhar para mim com um olhar confuso.
*triiiiiiiiiiiim*
-Não quero chegar tarde! Anda Mikaru!-ordenei.
---
As aulas passavam e a hora do jogo aproximava-se, naquele momento faltavam duas horas.
O professor de fisico-química começou a achar a turma muito agitada, principalmente o lado masculino.
Prof: Hoje estão muito agitados. 
Benji: É por causa do jogo de logo à tarde stôr, vai assistir não vai?
Prof.: Em principio sim Price.
Ed: Contamos com o seu apoio stôr.
Tocou, todos saíram apressados. O autocarro que levaria a equipa para a aldeia vizinha, onde se ia disputar o jogo, tinha hora marcada.
Eu e a Mikaru dirigimos-nos para junto da Stela que se despedia do Toby, que tinha acabado de entrar no autocarro com o resto da equipa.
Mikaru: Stela sabes que ele não vai embora e que o vais ver quando formos assistir ao jogo, não sabes?
Stela: Desculpem eu não vou.-a Stela parecia em baixo.
-Passa-se alguma coisa Stela?-perguntei preocupada.

Ficou pequeno mas na sexta compenso 
espero que gostem

sexta-feira, 27 de abril de 2012

31ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!

31ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!
31ºCapitulo: 

Já no encontrávamos no quarto da Mikaru, eu já lá tinha estado antes, mas agora com a luz da lua a entrar pela janela ficava ainda mais bonito, as paredes azuis e as almofadas brancas, que se encontravam espalhadas pelo chão, davam ao quarto uma graciosidade inexplicável.
Era noite de lua cheia, perfeita para um filme de terror.
Aninhei-me numa almofada grande com a forma de um cão, a Mikaru sentou-se ao meu lado com uma grande taça de pipocas, o Pedro encontrava-se sentado em cima da cama mais o Rivaul.
-Ah humm.. Mikaru?
Mikaru: Diz?!
-Não vais pôr o filme?-perguntei.
A Mikaru olhou para mim por alguns segundos e levantando-se num ápice: Esqueci-me!!-gritou.
Pedro: Silêncio que a minha irmã está a dormir.-pediu.
Mikaru: Vai-te lixar!
-Mikaru!
Pedro: Desculpa, mas não tenho nenhuma lixa.-disse-lhe gozando.
Mikaru: Olha vai pentear macacos.
-Meninos que linguagem é essa?-perguntei aborrecida.
Mikaru: Acho melhor eu ir pôr o filme.-a Mikaru abriu a caixa dos dvd's pegou numa que tinha escrito "Sexta-feira 13" e meteu o dvd dentro do leitor.
Mikaru: Feito.-e veio a correr sentar-se ao meu lado.
---
O filme ia a meio, até que uma pequena cabeça espreitava pela porta do quarto. Dei um suave toque na perna do Pedro e fiz-lhe sinal para a porta, onde ele se dirigiu de imediato.
Poucos minutos depois regressou e metendo-se à minha frente e à da Mikaru: Oh gorda chega para lá, quero ficar ao lado da Sabrina.
E sentou-se, um bocado em cima da Mikaru por que não lhe deu teve tempo de reação, e esta, com um ar não muito simpático perguntou: Mas isto é assim? Chega-se aqui faz-se o que se apetece?
O rapaz nem se limitou a responder e continuou a ver o filme.
O Rivaul esgueirou-se p'ró pé de nós e nesse exato momento ouviu-se um bocejo e um logo braço estendia-se por cima dos meus ombros, mas quase que num "slash" se encolheu de imediato.
Pedro: Au!
Mikaru: Desculpa, estava a espreguiçar-me.
---
Quando o filme acabou desejamos boa noite uns aos outros. 
Quando o Pedro saiu e quando tive a certeza que a porta estava mesmo fechada: Mikaru emprestas-me um pijama?
Mikaru: Vês?! Ai tens mais uma razão para não te auto-convidares.-disse-me ironicamente.
-Vá lá Miss Ironia empreste-me lá um pijama, por favor.
Mikaru: Miss Ironia?!-a Mikaru esbugalhou os olhos e eu soltei um pequeno riso.
-Vai lá buscar o pijama mulher!-ordenei.
Mikaru: Sim meu capitão!-e fez continência.
-Muito bem soldado.- e segundos depois o quarto encheu-se de risos.
Quando nos conseguimos controlar e acabar com aquela "algazarra" toda a Mikaru foi me buscar um pijama. Era de uns tons de azul muito claros e com duas imagens na parte da frente da camisola, eram as imagens mais lindas que alguma vez havia visto.
Numa delas estávamos eu e a Mikaru, e na outra estava eu, o Mark, a Mikaru e o Benji, lembrava-me bem daquele dia, tínhamos ido fazer um piquenique para celebrar o aniversário da Mikaru.
Vestimos os pijama e corremos para a cama sem sono algum. Peguei numa pequena almofada bege que se encontrava junto de mim e mandei-a direitinha à cara da Mikaru que logo me retribuiu.
Depois da nossa mini guerra de almofadas eu já rendida pelo sono adormeci, mas ainda ouvi uma voz chamar por mim.
---
De manhã acordei num sobressalto.
Tinha sido acordada por um grito, a Mikaru estava sentada na cama com o Rivaul ao lado e olhava-lhe com desprezo.
Mikaru: Oh seu estúpido sai daqui phá!
Quando me tentei mexer sentia-me agarrada, decidi olhar para o mau lado esquerdo onde vi o Pedro, que tinha os braços enrolados ao meu corpo.
Dei-lhe um estalo na cara e fiz com o que me largasse.
Levantei-me e fui À casa de banho buscar um copo de água bem fria para arrefecer as ideias àquele menino.
Quando entrei no quarto, estava a Mikaru a empurrar o Rivaul para o chão, o pobre rapaz já se encontrava mesmo na beira da cama.
Fui de encontro com o Pedro e deixei que água lhe caísse na face.
Pedro: AAAHHH!!!-soltou um grito grave.
-Muito bom dia senhor invasor de quartos.-disse-lhe olhando-lhe furiosa.
Pedro: Bom dia minha princesa.
*pum*
Rivaul: Au bolas, que bruta! Que maneira mais "simpática" para se acordar uma pessoa.
Mikaru: Saiam do mau quarto!!-a fúria que se podia ver nos olhos dela era tal que os rapazes saíram do quarto que nem flechas.
Mikaru: Se eu os vir outra vez à minha frente eu esgano-os!!
-Calma Mika!-tentei acalma-la.
Vestimos-nos e mais uma vez tive de usar uma roupa emprestada da Mikaru.
Mikaru: Quero que uses este vestido.
-Mikaru vamos para as aulas.-disse-lhe.
Mikaru: E depois?! Sabes bem que acabamos as aulas cedo e os rapazes vão ter jogo.
-O que tu queres sei eu.
Mikaru: Não é nada do que estás a pensar, muito menos depois daquela vergonha que me fizeram passar.-e passou-me o vestido para as mãos.-veste!-ordenou.
----
Espero que tenham gostado, 
eu infelizmente não consegui arranjar titulo
mas aceito sugestões^^

quarta-feira, 25 de abril de 2012

30ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!


30ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!
30ºCapitulo: Casa cheia
A Mikaru estava a escolher um filme, se bem que eu não tinha grande disposição para tal coisa.
Mikaru: Preferes um de terror ou um de comédia?-perguntou-me enquanto mexia em todas as caixas de DVD’s que tinha.
-Pode ser um de terror, se bem que prefiro um romance que acabe mal pois o rapaz não liga nenhuma à rapariga e em que a melhor amiga da mesma não lhe sabe contar as coisas antecipadamente.-fui interrompida.
Mikaru: Miúda deixa de ser melodramática!!-ordenou enquanto me abanava num gesto de “acorda para a vida” .
-Dizes sempre a mesma coisa…
Mikaru: Talvez por que seja a verdade.
-E por que é que não me contaste?
Mikaru: Eu fiz-te uma pergunta primeiro, terror ou comédia.- a Mikaru estava a adiar responder.
-Mika…por que não me disseste que ele era teu primo?! Ele está neste momento no quarto ao lado.-semicerrei-lhe os olhos.
Mikaru: Não te contei isso como não te contei muitas outras coisas.-fez ma pausa pequena.- Mas escolhe, comédia ou terror?
-Como assim?! O que não me contaste-te mais?
Mikaru: No jantar logo vês.-disse-me enquanto remexia nos dvd’s.
-Tá bom…ah e pode ser terror.
Mikaru: Ham?!
-Aqui a lerda sou eu, não tu…estou a falar do filme mulher, estás a mexer nos dvd’s e não sabes do que falo.
Mikaru: Eheh desculpa.-a Mikaru pegou numa caixa.-Então vamos ver este.-disse.
Voz: Mikaru, jantar!!
Mikaru: Estamos a ir mãe.-gritou do quarto.
---
Descemos as escadas para o jantar.
Mikaru: Mamy já estamos cá em baixo.
-Precisa de ajuda…
Mãe de Mikaru: Nem pense menina Sabrina, é uma convidada.
Mikaru: Convidada salvo seja.-semicerrou-me os olhos.
Soltei um pequeno riso.
Mikaru: E é por teres vindo assim, “convidada” que escolheste o dia errado.-fez-me um sorriso irónico e de orelha a orelha.
-Mika..o que queres dizer com isso?-perguntei preocupada.
*tlindlão*
Mikaru: Eu vou lá mãe!
A Mikaru tinha ido abrir a porta, entretanto o primo dela descia as escadas.
Primo da Mikaru: Sabrina! Hoje ficas para jantar?-perguntou-me com um sorriso no rosto.
-Sim, hoje passo cá a noite.
Primo da Mikaru: Que bom. Não percebo os nossos colegas, estão a ignorar-te por causa do Mark e ainda por cima nem sabem o por quê.
-Isso é estupido. –a Mikaru tinha regressado e acompanhada de três pessoas.
Um senhor alto e de cabelos castanhos escuros e brilhantes, uma rapariga mais nova e um bocadinho baixa e um rapaz de alto de cabelo castanho e despenteado.
Primo da Mikaru: Hoje temos casa cheia.-sorriu.
-Escusava era de ser com certas pessoas.
Rapariga mais nova: Essa foi para mim??
-Maybe.-fui a assobiar para a cozinha, queria saber se a mãe da Mikaru precisava de ajuda com o jantar ou se precisava que metesse a mesa, melhor dizendo era uma desculpa para sair dali.
Mas a mãe da Mikaru tinha recusado a minha ajuda dizendo que conseguia tratar de tudo, e sendo assim eu tinha sido obrigada a voltar para onde estava antes.
---
Enquanto jantávamos reinava silêncio, até que a mãe da Mikaru perguntou-me: Então Sabrina, já há namorado?
Eu engasguei-me, a rapariga riu-se.
-Achas que tem piada Inês?!-perguntei ainda meia engasgada e com a respiração descontrolada.
Rapaz alto e moreno: Sabrina estás bem, precisas de umas pancadinhas a ver se alivia?
-Não é preciso Pedro, obrigada, passa-me a água por favor.-o Pedro pegou no jarro da água e passou-mo para as mãos.
Mikaru: Mãe este bacalhau à Brás está uma delicia.
-Sim concordo plenamente, o melhor que já comi, sem dúvida.
Primo da Mikaru: O que vão fazer as meninas depois do jantar?-perguntou, metendo uma garfada bem “carregada” do bacalhau na boca.
Mikaru: O que tem isso a ver com o assunto Rivaul?
Rivaul: É lá prima, não precisas de ser assim tão desagradável.
Mikaru: Vamos ver o filme, por quê? Tens problemas? vai ao veterinário.
Mãe da Mikaru: Mikaru!!!-olhou-lhe e chamou-lhe à atenção para com a linguagem.
Mikaru: Desculpe mãe.-lamentou inclinando a cabeça ligeiramente para baixo.
---
Quando acabamos os jantar a mãe da Mikaru e o pai da Inês e do Pedro encontravam-se no sofá da sala a conversar.
Eu e a Mikaru estávamos a meter os pratos, talheres e copos na máquina de lavar a louça. O Pedro levantava as coisas da mesa e vinha-nos trazê-las. O Rivaul arrumou a toalha de mesa na gaveta e tratou de “embelezar” a mesma, enquanto a Inês deitava restos de comida que se encontravam nos pratos para o lixo, um trabalho que segundo ela, muito nojento e sem classe alguma, como se meter pratos na máquina fosse melhor.
Entretanto o pai do Pedro tinha ido embora, mas tinha deixado os filhos.
-Eles vão ficar cá?-perguntei sussurrando à Mikaru.
Mikaru: Espera aqui.-sussurou-me.
O Pedro aproximou-se de mim.
Pedro: Princesa posso dormir contigo?
-Quê?!
Mikaru: Nem penses que dormes no MEU quarto.-a Mikaru tinha regressado e tinha feito questão de pronunciar “meu” com uma entoação para que ficasse bem entendida.
A Inês aproximou-se de nós: E eu?! Maninho não nos vais deixar aqui sozinha!! Eu digo ao papá!!
-Mimada.
Inês: Parva.
-Malcriada!
Mikaru: PAREM.-gritou.- A casa é minha eu mando. Inês és a mais nova vais para a cama mais cedo por isso vais para o quarto de visitas.
Inês: Está bem.
Mikaru: Vai lá!-ordenou.
Inês: Agora?!-perguntou chateada.
Mikaru: Sim!!-gritou.
Rivaul: Vou ficar surdo.-disse ironicamente.
Miakru: Tu cala-te que já não te posso ouvir!
-Calma Mika.
Mikaru: SABI!!-gritou-Desculpem, descontrolei-me.-disse moderando o tom de voz.-Nós vamos ver um filme, vamos.-disse.
-Não vêem rapazes?-perguntei quando me encontrava no primeiro degrau das escadas.
Mikaru: Demoram muito?
Pedro: Uhh não, não minha donzela anda cá.-e pegou-me pela cintura.
-Que estás a fazer?
Pedro: Fico ao teu lado no filme.
Rivaul e Mikaru: Vamos?!
---------------------------------------------------------------
Espero que tenham gostado*o*
Comentem!!


sexta-feira, 13 de abril de 2012

29ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!


29ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!
29ºCapitulo:Quem são os meu verdadeiros amigos?

Só conseguia pensar em mil e umas maneiras de matar a Mikaru.
A Inês aproximou-se de nós.
Inês: Mark deixas-te me sozinha…e o Pedro também.
Boa, já devia ter calculado, tinha sido vencida por uma miúda de doze anos.
Inês: Já agora…posso saber o que fazes aqui com…esta?!
Esta?! Passei-me, levantem-me bruscamente do banco onde estava sentada e sem mais nem menos comecei a gritar com a Inês.
-Esta?! Com quem pensas que estás a falar? Não admito que me trates assim.
Toda a gente que se encontrava no recreio começou a olhar para mim, as minhas faces estavam encarnadas eu conseguia senti-lo, sentia-me a ferver, apetecia-me escavar um buraco e enfiar-me dentro dele.
Voltei a sentar-me no banco com a cabeça para baixo.
O Mark sentou-se ao meu lado e chamou a Inês.
Mark: Então Nês? Não precisas de estar a chorar.-sorriu-lhe.
Eu tinha saudades daquele sorriso, eu queria-o de volta para mim, quem me dera que ele nunca não tivesse sabido o que sentia por ele por mais óbvio que fosse, provavelmente se não o soubesse aquele sorriso seria para mim.
O Pedro tinha regressado do bar.
Pedro: Oh…então maninha que se passa contigo?-disse ao mesmo tempo que comia um pão com queijo e bebia um leite com chocolate.
Mark: Isso não importa. Vamos lá continuar o jogo de futebol.
O Mark não me estava a proteger, apenas estava a tentar sair dali o mais rápido possível, por isso confessei.
-Fui eu, por quê tens problemas?!-levantei-me e fui a andar na direção da sala com as lágrimas no canto do olho.
---
A aula de Português tinha passado muito de devagar, parecia que nunca mais acabava.
Quando a aula terminou fui ter com a Stela e com a Mikaru e seguimos direitas a casa.
*no caminho*
Stela: Então Sabi como vão as coisas com o conven…Landers?
A Mikaru deu-lhe uma cotovelada que a fez soltar um pequeno grito.
Mikaru: O que a Stela queria dizer é que os rapazes vão ter um jogo contra uma equipa da aldeia do lado, vens?
-Não sei o que isso tem de parecido com o que ela disse.-ri-me.
Mikaru: Muahaha, viva eu. Confessa Stela, consegui fazer a Sabir rir e tu não.-deitou-lhe a língua de fora.
Stela: Não sejas convencida Mikaru.
Mikaru: Por quê?!
Stela: Queres que te faço o mesmo?
Mikaru: Força.-disse-lhe sorrindo.
-Meninas…-tentei que se acalmassem, aquela “discussão” não tinha sentido algum.
Stela: Confessa Mikaru tens invejar por eu ter conseguido arranjar namorado primeiro que tu.
Esta tinha sido forte, a reação da Mikaru podia assustar qualquer um que por ali passasse.
Mikaru: BEEEEEEEEEEENNNNNJIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!!!!!!!!!!!-gritou em alto e bom som.
Eu e a Stela já sabíamos o que ia acontecer.
Aproximei-me da Mikaru devagar e segredei-lhe ao ouvido.
-Pst Mika, gostas da alcunha...quer dizer sabes que o caminho da casa do Benji também é por aqui e…-apontei-lhe para trás.
E lá estavam o Benji, o Ed, o Oliver, o Pedro, a Inês, o Mark, a Patty, o Toby e a Hinata.
Eu a e Stela desatamos a rir, a Mikaru estava um ”pimentão”.
Stela: Bem eu vou por aqui.-disse ainda a rir e puxando a Hinata.
Hinata: Até amanhã pessoal.
Stela: Sim, sim anda lá, queres ver a minha morte?
-Hey!! Stela vais me deixar aqui sozinha?-perguntei gritando.
Stela: Desculpa!!-gritou rindo-se.
A Mikaru olhou para mim com um olhar de fúria. Esgueirei-me para trás do Benji.
-És o mais velho faz alguma coisa.-o Benji afastou-me.
Benji: São coisas tuas.
Olhei para o Mark, estava a ser desprezada por todos.
-A sério?! Como queiram…agora finalmente sei quem são os meus verdadeiros amigos, de vocês, sei que só posso contar com o Pedro.
Agarrei no braço da Mikaru e desatei a correr.
-Hoje fico a dormir em tua casa.-e com os olhos em lágrimas olhei para trás, mais precisamente para o Mark.

Espero que tenham gostado.
Bjs

segunda-feira, 9 de abril de 2012

28ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!


28ºCapitulo-Fanfiction: A vida é bela!
28ºCapitulo: Sem nunca retirar o olhar do chão.

Passaram-se três semana, desde do dia em que eu o Mark tínhamos confessado os sentimentos um pelo outro.
Desde aí nunca mais nos falamos, nas aulas ele olhava-me e desviava o olhar sempre que os meus olhos poisavam nele.
O irmão da Joana, o Rui, tinha a convencido a voltarem para casa e só os voltaria a ver nas férias de verão, e estas duas semanas de aulas que faltavam nunca mais acabavam.
A Mikaru e a Hinata continuavam a disputar pelo amor do Benji, estava praticamente tudo na mesma só eu e o Mark é que já não nos falávamos.
Eu encontrava-me a escrever no meu caderno quando o professor me pediu para ir ao quadro.
Levantei-me e fiz o exercício, era fácil e eu sabia disso, mas tinha a cabeça na lua e tinha-me saído tudo ao lado.
Prof.: Sabrina o que se passa consigo?! Já a vi resolver exercícios muito mais difíceis.
-Desculpe professor, acho que não estava a prestar atenção.
Prof.: Muito bem, algum voluntário para vir resolver o exercício?
O Ed pôs o dedo no ar, ele era a o segundo da turma com alta nota a matemática, e se eu continuasse assim ia ser ultrapassada.
---
*triiiiiiiiiiiiiiiiiimmm*
Saímos para o intervalo, a Mikaru estava preocupada comigo.
Mikaru: Sabrina vou ao bar, queres alguma coisa?-perguntou-me.
-Não obrigada.-respondi a olhar para o chão.
Mikaru: Olha para mim quando falo contigo. Não gosto de te ver assim…Olha vem aí o Pedro!!
A Mikaru foi ter com ele, provavelmente para lhe dizer que me tentasse animar.
O Pedro sentou-se ao meu lado, olhou-me e sorriu.
Pedro: Sabes Sabrina, eu não percebo o meu primo. Todos dizem que ele está apaixonado por ti desde que te conheceu e que vocês sempre se deram muito bem, tal e qual um casal mas…
Mark: Então estás aqui. Tinhas dito que ias ao bar.
Pedro: Achas que eu sou rapaz de deixar uma rapariga cabisbaixa aqui sozinha?
O Mark olhou para mim, percebi-o pela sua sombra, não me dignei a olhar para ele e mantive os olhos fixos no chão.
A Mikaru tinha acabado de regressado do bar.
Mikaru: Toma.-estendeu-me um pão com fiambre para as mãos.
-Obrigada.-segurei no pão e dei-lhe uma grande dentada sem nunca tirar os olhos do chão.
Pedro: Mikaru não podes ir buscar um para mim?
Mikaru: Estás a gozar comigo?! Nunca ouviste o ditado “Pernas para que vos quero?”, neste momento acho que se encaixa bem em ti.
Pedro: És mesmo mázinha.- o Pedro levantou-se e foi na direção do bar.
Mikaru: Mark fica aqui com a Sabrina que eu tenho de ir à casa de banho.- a Mikaru afastou-se a correr, aí levantei o meu olhar e olhando na sua direção, gritei:- Mikaru!!!!

Espero que tenham gostado.
Comentem,
Beijos Bia.